Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2020 > 12 > Juíza do TRT da Paraíba participa de Webinar sobre saúde e segurança do trabalho

Notícias

Juíza do TRT da Paraíba participa de Webinar sobre saúde e segurança do trabalho

Mirella Cahú, substituta da 4ª Vara do Trabalho de João Pessoa foi palestrante no evento com apoio do TRT do Ceará

Ações do documento

publicado: 09/12/2020 10h08 última modificação: 09/12/2020 10h08

A juíza Mirella cahú, substituta da 4ª Vara do Trabalho de João Pessoa, foi palestrante no “Webinar Saúde e Segurança do Trabalho”. A magistrada abordou o tema “Saúde e segurança do trabalho na atualidade – trabalho presencial versus trabalho em home office”, que contou com a moderação do do desembargador do TRT/CE Paulo Régis Botelho.

O evento, promovido pelo Grupo de Comunicação O Povo com o apoio da Justiça do Trabalho do Ceará, aconteceu de modo virtual e foi transmitido pelo Youtube e pelo facebook do O Povo e contou com a participação dos desembargadores do TRT/CE, Francisco José Gomes da Silva, Emmanuel Furtado e Paulo Régis Botelho.

Home Office

A juíza Mirella Cahú falou sobre os impactos da dinâmica do home office na saúde do trabalhador. “Quando refletimos sobre saúde e segurança no trabalho, logo pensamos sobre condições físicas adequadas para trabalhar, muitas vezes deixando de lado o aspecto da saúde mental. Com o impacto do home office, o psicológico passa a merecer ainda mais atenção”, afirmou.

A magistrada também refletiu sobre as diferentes adaptações dos profissionais ao trabalho domiciliar. “Os estudos mostram que alguns trabalhos se adaptam melhor ao home office, como os de profissionais das ciências e gestão; outros cargos, de serviços que trabalham mais com o contato com o público, têm maiores dificuldades para se adaptar ao trabalho em casa”, ponderou a juíza.

Protocolos de segurança

No horário seguinte, o segundo painel do evento teve como tema “Protocolos de segurança: obrigações e deveres de empresas e trabalhadores na retomada segura das atividades presenciais pós-pandemia”. Para abordar o assunto, a conferência foi moderada pelo desembargador do TRT/CE Francisco José Gomes da Silva e teve como palestrante Sebastião Geraldo de Oliveira, desembargador do TRT/MG.

O conferencista começou a discussão falando sobre o primeiro desafio da pandemia: a prevenção ao contágio do vírus. Num segundo momento, dissertou a respeito das complicações da necessidade do retorno às atividades presenciais de trabalho. “A Constituição Federal diz que é direito do trabalhador a redução dos riscos inerentes ao trabalho por meio de normas de saúde e segurança. Nesse contexto, na retomada das atividades presenciais durante a pandemia, a Lei 13.979, de fevereiro de 2020, estabelece medidas de segurança e saúde para os trabalhadores, como o uso obrigatório de máscara para proteção individual”.

Nessa conjuntura de enfrentamento à pandemia no trabalho, Sebastião afirmou que a ciência sempre deve ser ouvida para a formulação de protocolos da saúde. “A Lei também estabelece que todas medidas de prevenção e proteção devem ter respaldo científico. Isso existe para dar espaço a nenhum achismo ou negacionismo”.

Saúde mental/emocional na pandemia

O terceiro painel, que encerrou o Webinar, tratou do tema “Medicina do trabalho e saúde mental e emocional dos trabalhadores no pós-pandemia”. O encontro foi moderado pelo desembargador do TRT/CE Emmanuel Furtado e teve como palestrante Márcia Brandini, médica e ex-presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT).

Márcia abordou questões a respeito das saúdes mental e emocional no contexto da pandemia do covid-19. “Com a pandemia, temos ansiedade e depressão decorrentes não só do isolamento social, mas do estresse de toda a incerteza e insegurança sobre as medidas preventivas, que muitas vezes não são consideradas suficientes”, afirmou.

Ainda sobre as consequências da pandemia na vida das pessoas, Márcia alertou sobre as experiências traumáticas que sofreram as pessoas que foram internadas devido à contaminação da covid-19. “A vivência de estar internado sofrendo do vírus é uma experiência de quase morte que gera muitas sequelas. Torna-se difícil para essas pessoas recuperarem a estabilidade emocional”, finalizou a médica.

ACS TRT13 com informações TRT7
Postada por Omar Khayam