Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2017 > 03 > Palestras falam do trabalho e da ditadura da beleza

Notícias

Palestras falam do trabalho e da ditadura da beleza

Eventos marcaram o Dia Internacional da Mulher

Ações do documento

publicado: 09/03/2017 15h17 última modificação: 09/03/2017 15h17

Duas palestras marcaram as comemorações pelo Dia Internacional da Mulher nesta quinta-feira (9) no Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região). Em parceria com a Unimed-JP, a Secretaria de Gestão de Pessoa (Segepe) preparou uma programação para magistrados e servidores, em especial, às mulheres.

O presidente do TRT, desembargador Eduardo Sergio de Almeida, fez a abertura do evento, saudando e falando da importância da mulher na construção da sociedade. O diretor da Segepe, Lucílio Franklin Barbosa de Andrade, prestou uma homenagem a servidora aposentada do TRT13, Josilda de Araújo Silva, que esta semana deu um belo exemplo de cidadania, espírito público e disposição. Depois de trabalhar por 31 anos somente no TRT e com todos os direitos garantidos, Josilda requereu aposentadoria no final do ano passado e, agora, decidiu retornar ao Regional, só que agora como voluntária.

Mãe, Mulher e Trabalho

No auditório do Tribunal Pleno, as psicólogas convidadas Abigail Soares Lopes e Roberta Mota abordaram os temas “Mãe, Mulher e Trabalho” e “A Mulher e a Ditadura da Beleza”. O evento contou com a participação musical do Coral 13ª Em Canto, regido pelo maestro Carlinhos Telles, da servidora Karla Leitão e do servidor Josalbo Licarião, além da apresentação de uma peça teatral pelo grupo de Teatro Justiça em Palco, do TRT.

Para Abigail Soares Lopes, psicóloga clínica e especialista em Gestão de Pessoas, que falou sobre o primeiro tema, o assunto de Mãe, Mulher e Trabalho é bastante polêmico, levando em consideração as várias atividades que a mulher moderna tem. “Além de ser trabalhadora, é mulher, mãe, dona de casa, e tudo isso gera, muitas vezes, em si própria um sentimento de ansiedade, principalmente quando ela tenta abarcar todas funções em tão pouco tempo. Vinte e quatro horas se torna um tempo muito curto para tantas atividades a desempenhar ao longo do dia”, destacou. Abigail Lopes, entende que a mulher precisa sempre procurar ter um momento de lazer para fazer uma higiene mental, a fim de diminuir e desacelerar o seu dia a dia. Ela sugere que “embora não seja tarefa fácil, essa desaceleração é fundamental para a nossa saúde já que é a cabeça que comenda o corpo”.

Ditadura da Beleza

Já “A Mulher e a Ditadura da Beleza”, tema abordado por Roberta Mota, trouxe uma reflexão sobre a supervalorização da sociedade do culto ao corpo e à autoimagem. Como psicóloga, Roberta entende que é importante se cuidar, mas ela disse que tem percebido, nos consultórios, a magreza e o excesso de atividade física. “É bem verdade que precisamos praticar alguma atividade física, mas o exagero dessas atividades pode ocasionar, tanto nas mulheres quanto nos homens, transtornos psicológicos”, alertou.

Segundo Roberta, é imprescindível que haja entre estas pessoas um autoconhecimento para que se aceitem como realmente são, buscando fazer atividade física, dormir bem e ter uma alimentação saudável. “Essas atitudes, certamente, ajudam a elevar a autoimagem sem a preocupação de seguir uma ditadura prejudicial à saúde mental e física”.

Ao final do evento foram sorteados brindes e os participantes fizeram uma sessão de alongamento.