Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2009 > 08 > Tribunal do Trabalho promove palestra sobre o “Vírus H1N1”

Tribunal do Trabalho promove palestra sobre o “Vírus H1N1”

Ações do documento

publicado: 28/08/2009 12h30 última modificação: 30/09/2016 10h18

O médico Hilário Freitas foi o palestrante da última edição do Projeto Sexta-Feira, que aconteceu no auditório do Fórum Maximiano Figueiredo e reuniu servidores do Tribunal Regional do Trabalho e ainda convidados da Justiça Federal e Tribunal Regional Eleitoral.







O tema da palestra foi “Mitos e verdades da Gripe A (Vírus H1N1)”. O diretor da Secretaria de Gestão de Pessoas, Carlos Melo, fez a apresentação do palestrante e, em nome da Instituição agradeceu a presença do médico.





Exibindo uma apresentação organizada com perguntas e respostas e muitas ilustrações, o médico foi explicando o que a ciência já sabe sobre a Gripe A, como se prevenir e o que realmente é mito em relação a doença. Hilário Freitas defendeu a informação como a arma mais poderosa no combate ao medo provocado pela Gripe A.

Além de outras qualificações, o palestrante traz em seu currículo: Especialista em Saúde Pública; Especialista em Ciências Sociais; Professor da Disciplina de Epidemiologia da Universidade Federal da Paraíba – UFPB; Consultor de Qualidade de Vida da UNIMED-JP.

A abordagem do tema foi uma iniciativa do Serviço Médico do TRT, que tem como diretor Maurício Cunha, que assistiu toda a palestra.







Saiba mais:

Gripe e resfriado têm as mesmas causas e sintomas parecidos?
FALSO - As gripes comuns são causadas pelo vírus influenza A, B ou C, que infectam as vias aéreas (nariz, garganta e pulmões). Os sintomas podem ser: indisposição, febre alta (persistente de 3 a 5 dias), tosse, dores musculares, dor de cabeça, calafrios, coriza, fadiga e mal-estar generalizado. Em alguns casos, pode haver náuseas, vômito e diarréia. Nos resfriados, a febre é baixa ou ausente e ocorre de 2 a 4 dias. Em geral, são causados por rinovírus (existem mais de 100 deles), parainfluenza (4 tipos), adenovírus (50 tipos) e coronavírus (4 tipos humanos), entre outros. Na Gripe A, os sintomas são similares aos das gripes comuns, mas, de um modo geral, a vítima não apresenta coriza e pode ter mais náuseas e vômito.

Tomar vitamina C previne a Gripe A?
FALSO - Tomar vitamina C não previne a Gripe A. A falta dessa vitamina tem relação com a gripe porque níveis alterados desse nutriente podem levar a alterações do sistema imunológico. Assim, seu uso é indicado somente para situações onde há deficiência desse nutriente, cuja falta prejudica não só o desempenho do organismo na defesa contra a influenza A, como para outras doenças. Entretanto, não existe comprovação de que, em organismos bem nutridos, a vitamina C traga benefícios extras. Ao contrário, seu consumo indiscriminado pode até trazer efeitos tóxicos para o indivíduo. Por isso, a dosagem ideal deve ser indicada por um médico.

Tomar chá de alho, hortelã ajuda a aplacar a Gripe A?
PARCIALMENTE VERDADEIRO - Ainda não existem evidências científicas de que o consumo dessas ervas possam ter efeitos protetivos contra a Gripe A. Mas, especialistas em medicina natural afirmam que o alho é útil nas infecções do aparelho respiratório e suas propriedades combatem a proliferação de vírus. Se consumido junto como complemento ao tratamento convencional, pode ter serventia. Quanto à hortelã, trata-se de um brando germicida natural utilizado para alívio de incômodos do aparelho digestivo, conferindo mero efeito refrescante para o aparelho respiratório.

Os medicamentos usados contra Gripe A podem gerar resistência?
VERDADEIRO - Os remédios utilizados para a Gripe A agem inibindo a disseminação do vírus, que tem capacidade de mudar e se adaptar, criando mecanismos de reprodução imprevisíveis, podem gerar resistência.

Pegar vento ou andar descalço pode predispor à Gripe A?
PARCIALMENTE VERDADEIRO - A exposição ao frio ou calor excessivo pode prejudicar várias funções do corpo, podendo causar alterações metabólicas, incluindo modificações nas condições das defesas imunológicas. Um exemplo disso é a mudança brusca do tempo, que predispõe a quadros alérgicos com aparecimento de secreção: se a pessoa se expõe ao vírus, com alteração anatômica e funcional das mucosas do trato respiratório (pelo quadro alérgico), terá maior dificuldade para se defender do vírus.

Se alguém pegar o vírus ficará imune à doença, mesmo que ela se manifeste em uma eventual segunda onda?
FALSO - Uma vez infectada, a pessoa fica imune ao vírus e, portanto, não ocorrerá a reincidência da doença. Mas se esse mesmo vírus vier a sofrer mutações, gerando uma segunda onda de contágio, o indivíduo não estará imune à versão mutante.

O vírus pode ficar incubado ao longo da vida e pode se manifestar no futuro?
FALSO
- O H1N1 não causa esse tipo de fenômeno.

Obesidade pode aumentar a predisposição ao vírus?
VERDADEIRO - Estudo realizado na Califórnia revelou que 2/3 dos pacientes diagnosticados com a Gripe A, tinham doenças crônicas como asma, obstrução pulmonar, imunodeficiência, doença cardíaca (congênita ou coronária) e diabetes. A grande surpresa foi ter identificado entre elas a obesidade, que se cogita incluir no rol das condições de risco. Acredita-se que o excesso de peso na região abdominal comprima o pulmão, agravando os sintomas da doença.